20 de maio de 2015

29 de março de 2015

the ass canvas

                             the ass canvas
the resignation to the show-off of the self

           the lightning struck
        the feeling towards death

                                       rhythmicity
the said things touched and travelled through time

           the opposite sources
         the beverage down throat
    the unexpected long-term emotions

                         the fading out of indiscipline
                         a streetcar slides upon fragranced pineapples

                                                          easter comes

                                                        and water runs

26 de março de 2015

resolução

precisei sentar e escrever a respeito pra que eu possa avaliar daqui a poucos ou muitos anos
:

a gente faz coisa demais. tô pra me mudar pra uma casa que vou ter perto de liberdade total e já imaginei tantas coisas. já chamei todo mundo pra ir me visitar. adoro receber gente. e visitar. principalmente as que amo. abri a primeira porta da casa hoje. e cheguei rapidinho na resposta pra
v     i     d     a
sem ler nenhum texto grande, fazer pós em berlim e girar em roda de discussão
:

o que vale é a coisa da casa.
l      a      r
nas pessoas
!
o que vale é ter um lugarzinho no planeta terra pra juntar todo mundo que a gente ama, e aí juntar todo mundo que a gente ama
:


e morrer.

11 de fevereiro de 2015

a baía

A BAÍA

essa água toda em mim esmaga 
o recolhimento 
o feto abaixo d'água 
a baía imensa e salgada

essa água toda em mim 
em tempo de rasgar a coluna 
as vértebras e despedaçar 
uma a uma a gordura

liquefaz o cérebro e os sentidos 
a sensação de esvair
esvaziar 
de roer os poros e revirar

FORA A ISOTONIA

o sal enferruja os olhos e o cabelo 
dança além do vazio 
flui adentro e escorre 
o corpo pelos músculos e pelas carnes 

SH
:::
::::
:::::
::::::
:::::::
::::::::
:::::::::
::::::::::
:::::::::::
::::::::::::
:::::::::::::
::::::::::::::
:::::::::::::::
::::::::::::::::
:::::::::::::::::
::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

água demais 
caiu pra fora do mundo 
deslizei com ela 

em pedaços

19 de dezembro de 2014

e a árvore caiu na tempestade

o sublime. o chocar entre o momento de olhar e o momento de reconhecer. o chocalho não é à toa. barulha a favor ou contraluz. pode não ser visto se não for ouvido. pode não ser visto se não se incluir na paisagem. nascido na vontade de exprimir o inexportável. declara ser seu objetivo 1. as paixões e 2. a propriedade das coisas que, pela experiência, sabe que influenciam as paixões. a natureza circundante poderá ser melhorada. nascido mesmo da vontade de exprimir o inexprimível, o gosto pelo sublime prevalece sobre o gesto pelo belo. o sublime traz uma qualidade de extrema força ou amplitude que é ligada ao sentimento de inacessibilidade diante do incomensurável e provoca espanto inspirado pelo medo ou pelo respeito que se eleva, que se sustenta no ar, reações estéticas nas quais a sensibilidade se volta para aspectos extraordinários e grandiosos considerados hostis e misteriosos, que desenvolvem afinal o sentido da solidão. a vida já é bastante infecta. não tem bem como fugir disso tudo.