15 de fevereiro de 2010

Separação

De um lado, uma mulher berra palavras inconfundíveis em meu ouvido. Do outro, um senhor nada lógico intervém na sobriedade de todos com seus pedidos absurdos. No meio do caos, atordoado por gritos intermináveis que mesmo quando pausados ecoam por todo o meu corpo, eu não consigo me manter firme a uma opinião, por mais que devesse, e fico sem reação.

A mulher, histérica e angustiada de tantas situações anteriores, avantajada de recursos retóricos pré-determinados, se põe como a voz de uma razão duvidável, passando comandos que, a vista de toda a história, poderiam não fazer sentido. Seus trajes leves esvoaçantes desviam qualquer atenção e, demarcando em cheio o seu cabelo curto encaracolado, deixavam a sua imagem embaçada como um todo. O homem calvo não de velhice, mas de desamparo, isolado de uma vida que há tempos era dele, se torna um contrapeso dentre todas as afirmações feitas até ali, e mesmo inovando não significativamente com suas explicações, se mantém rotineiro à sua pretensão de sempre.

Os argumentos ali fundados por ambas as partes em toda a discussão se perdem no trajeto do entendimento, e em pouco nenhum dos dois faz mais ideia de qual luta está lutando. O jeito, depois que a lógica não tem mais rumo, é continuar questionando causas perdidas, pelo simples desejo de se esfaquearem um ao outro, pouco a pouco. A ira dos dois amargamente se debruça montanha abaixo, crescendo a cada relevo que encontra pela frente, e em algum ponto desse caminho ela há de me achar, e me dominar.

Ainda sem reação a situação mais absurda, eu me porto como um burro no pasto, não podendo crer em qualquer opinião depois de ouvir tanta inutilidade. Convencidos, os dois tentam me usar como testemunha para atingir seus objetivos críticos, às vezes beirando a intenção de me usar como mero orador de uma opinião não minha, às vezes pelo profundo desejo de me ter aliado à sua escolha, por mais que eu não concorde ou queira tomar partido de algum dos lados. Em momentos como esse é impossível pensar, e então a melhor solução é se manter calado.

E, conforme o tempo passa, os dois se irritam mais com a minha falta de posição, e eu acabo por não ter nenhuma noção de quem eu sou naquele momento. Sendo apenas um pedaço de carne colocado de pé, me sinto um inválido entre berros e socos no ar, mas, por fim, não consigo fazer nada; meus pensamentos instintivos não me permitem. Afinal, ali de pé com ideias e críticas em punho, um machucando o outro, aqueles são meus pais, e por mais que eu tente achar uma resposta definitiva para o que toda essa rebelião infinita significa, eu não consigo, até porque nenhuma das versões dessa história ilógica faz jus em minha cabeça.

33 comentários:

rattleheadbrasil disse...

Brigas em relacionamentos são uma coisa complexa, pior ainda quando se tem filhos que nada tem a ver com as desavenças existentes entre H e M. O melhor é não tomar partido

Marina disse...

+1 pra todo o seu texto. você é foda e vai ganhar um Nobel ainda.

Gutt e Ariane disse...

Expôs aqui uma das piores realidades que um jovem ainda em formação pode ter, ainda mais em se tratando de ambiente familiar. Como se posicionar sem ofender a nenhuma das partes, que são nada mais nada menos que pai e mãe. Isso sim que a tal sinuca de bico! Literalmente...
Muito bem escrito hein!
.....................
Ei João, obrigado pela indicação ao selo amigo! Isso só corrobora para que a cada dia, tentemos melhorar nosso humilde blog! Obrigadão mesmo!

Mattheus Rocha disse...

Diálogo sempre é bem vindo, mas discussões só desgastam as relações.

Saudações.

Vinicius Oliveira disse...

briga so pode acabar mesmo com um relacionamento, fica meio que insuportavel, ainda mais se nao existir amor ne

http://viniciusoliveiraa.blogspot.com/ comenta?

Fernanda Alves disse...

Muito bom o texto! Uma coisa q vc faz e que me agrada muito é descrever bem os personagens,é como se entrassemos na historia, sentissemos o drama da separação.
Parab[ens pelo texto!

Henrique Alvez disse...

Eu já passei por isso, sei como é e me identifiquei muito com o texto...
sabe, foi assim mesmo que me senti... impotente pertante ao desgaste daquele casal que já ñ mais desfrutava de um sentimento mútuo. Irritado ñ só com as discussões intermináveis, mas comigo mesmo, pela minha própria inatividade... e além disso, triste, pois sabia que nada daquilo poderia ser evitado...
se ñ fosse vc a escrever o texto, diria eu ser o personagem central XP

obrigado pela leitura que vc me proporciona aqui, e obrigado tbm pelo selo ^^

http://baudopascacio.blogspot.com/

Cantinho Secreto da Suzi... disse...

Incrivel dnovo ;D

Parabens ^^

Érico disse...

Gostei da escolha do tema do post mais é bom lembrar q um boa conversa é sempre o melhor remédio pra qualquer desentendimento q possa levar à separação.

Fagnão! xD disse...

brigas rotineiras e muita vezes propozitalmente começadas, por pura preguiça de dizer um simples: "cansei não quero mais"

as vezes se tornam um caos muitas vezes prejudicando o bem estar de tudo e todas ao redor!

geralmente por medo de dizer adeus de uma maneira um pouco mais madura... as pessoas arrumam pretextos para começar um briga infantil porque é bem mais fácil terminar um relacionamento com raiva!



http://www.popundergroundofgod.blogspot.com/

Hellen Taynan disse...

Nossa! No começo achei q o cenário fosse um bar, depois pensei em brigas partidárias, o q não deixa de ser, qdo ao fim pude perceber q era uma família. Fiquei passada. Eu já passei por isso qdo era pequena, tão pequena q nem deveria lembrar, mas o trauma acompanha a gente por mtos e mtos tempos.

Pobre esponja disse...

Ás vezes um diálogo desaba em descussão, é importante saber o limite.

abç
Pobre Esponja

Davi Mello disse...

Puxa vida! Seu conto me intigou de uma forma estranha...

É tão verdadeiro e poético...

Parabéns! ;)

Davi Mello

-----

http://covildeideias.blogspot.com/

Silvio Junior Wencevoski disse...

Você é muito bom em seus textos. Gostei dos pontos e desenvoltura do mesmo. Assinei! Parabéns..

Abraços.

Sequelanet disse...

Fiquei impressionado com o texto. Você escreve super bem, sem aquele internetês, escrita comum entre os adolescentes. E falar sobre separação demonstra maturidade.
p.s: tou até seguindo seu blog, vale a pena
abs

Rafael disse...

ganhou 2 selos pelo blog caro amigo blogueiro!
Parabéns, só ir la pegar!

Cristiano Contreiras disse...

Sempre um otimo cronista, abs

Thaty disse...

UAL... DESARMONIA É FOGO NEH. AINDA MAIS PARA NOSSOS OUVIDOS E CORAÇÃO. VC ESCREVE MTO BEM.. SUCESSO

Viajante Sem Rumo disse...

muito bom meus parabens vou seguir vc!XD

Érico disse...

Acho q ja vim aki antes hehe...

Vinicius Oliveira disse...

nossa, cara me surpreende a qualidade dos seus textos, parabens mesmo cara..

http://viniciusoliveiraa.blogspot.com/ comenta?

ARCANO disse...

Voce escreve muito bem (:

João Paulo disse...

Tá cansativo, só ficou interessante quando vc falou d seus pais, a partir daí é que o texto ganhou nexo!

Sheila Mantovani disse...

Incrível! Essa é a palavra...
Muito bom teu blog, guri :D

Me faz uma visita?! http://doqueasguriasgostam.blogspot.com/

Luiz Cirino disse...

Interessante... Eu gostei muito do texto. tú escreve muito bem!
parabéns.
depois da uma passadinha no meu blog: http://meninofabuloso.blogspot.com/

abraços!

MENINO FABULOSO'

Inez disse...

Uma boa conversa deveria ser a forma de se resolver qualquer problema familiar, mas muita gente prefere a discussão coisa que faz mal a quem briga e a quem está por perto.

catrak disse...

Ola beleza? vi seu blog em uma comunidade achei bel legal, mas tipo
tenho uma dica para tu da um Up nele, pq tu não passa ele para um
dominio profissional gratis, tipo o google indexa mais rapido e vc ganha
bem mais visitas alem de parcerias e dinheiro si for o caso.

Aqui nesse Topico nessa comunidade tem varios tutoriais olha ai:

http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=1327088&tid=5442225959297148549&start=1

Espero que ajude..

Artilharia Digital

Talita Ribeiro disse...

Incrível parabêns pelo blog. Adorei seus textos!
Beijoconas querido.

Henrique Alvez disse...

vc ñ vai mais atualizar? :(
abs

renata menezes disse...

gostei do jeito como escreve, gostei também da história. parabéns.

seuvicio disse...

Separação traumática é a de gêmeos siameses, isso sim.

Anônimo disse...

vocÊ fala do assunto com muita propriedade. É possível que tenha vivido esta experiência, mas caso não tenha passado por isso conseguiu construir um momento tão particular com requintes de sofrimento e lamentos de uma maneira digna dos grandes poetas.

Parabéns!

link disse...

lembrou quando meu pai e minha mãe se separaram...snif!!!!