22 de abril de 2010

Eduarda

­ ­ ­ ­ As canaletas nas bordas de um caminho
­ ­ ­ ­ a mim nunca me disseram respeito
­ ­ ­ ­ porque minha vida sempre esteve fora da linha.
­ ­ ­ ­ Mas também esteve a sua.

­ ­ ­ ­ Pelo menos, o passado de que nos lembramos hoje
­ ­ ­ ­ é o que define o nosso rumo como desigual
­ ­ ­ ­ pois, em subconsciência, todo o resto de nossa trajetória
­ ­ ­ ­ relaxa apagado em cantos de nossas mentes,
­ ­ ­ ­ sejam conjuntos ou individuais.

­ ­ ­ ­ Por muito tempo, os anos passaram como
­ ­ ­ ­ flechas recém-lançadas, diante dos nossos narizes
­ ­ ­ ­ e direto para o além, aonde inutilmente
­ ­ ­ ­ nós tentávamos os alcançar de novo
­ ­ ­ ­ com o nosso singelo caminhar.

­ ­ ­ ­ Tempos de discórdia, nos quais sem pensar
­ ­ ­ ­ nós reclamávamos da vida, majestosos.
­ ­ ­ ­ Ao nos olharmos no olho, calculistas,
­ ­ ­ ­ podíamos arranjar inúmeros motivos
­ ­ ­ ­ para nos amar e também nos odiar.

­ ­ ­ ­ Tempos de discórdia, difíceis de serem vividos
­ ­ ­ ­ em sua época, mas que, ao longo dos anos,
­ ­ ­ ­ cada vez mais se tornavam insuportáveis.
­ ­ ­ ­ No entanto, ainda assim, nós contávamos
­ ­ ­ ­ com o sorriso de um estampado no rosto do outro.

­ ­ ­ ­ Ademais, a maturidade nos avassalava em registros periódicos,
­ ­ ­ ­ com intervalos cada vez menos espaçados,
­ ­ ­ ­ e ao entender como funcionava
­ ­ ­ ­ aquilo que chamamos solenemente de vida,
­ ­ ­ ­ nossos corações batiam assustados.

­ ­ ­ ­ E conforme as semanas passavam
­ ­ ­ ­ nós tínhamos consciência de que,
­ ­ ­ ­ em qualquer dia, a qualquer momento,
­ ­ ­ ­ o destino nos separaria ironicamente,
­ ­ ­ ­ e teríamos que enfrentar o medo sozinhos.

­ ­ ­ ­ Dessa forma, os anos seguintes se passaram
­ ­ ­ ­ originalmente copiados de padrões da sociedade,
­ ­ ­ ­ e depois de muito tempo apenas, tempo demais
­ ­ ­ ­ que, enfim sozinho, eu pude classificar como indescritível
­ ­ ­ ­ a dor da minha solidão.

­ ­ ­ ­ E enquanto eu escrevo isso, minhas últimas vontades
­ ­ ­ ­ antes de desaparecer desse mundo cruelíssimo
­ ­ ­ ­ para nunca mais querer voltar, com quase cem anos
­ ­ ­ ­ de uma experiência bastante simplória,
­ ­ ­ ­ deixo páginas desse testamento, e dessa vida,
­ ­ ­ ­ a você, minha linda.

­ ­ ­ ­ Deixo-te o meu amor, a minha paixão
­ ­ ­ ­ a ardência de toda uma amizade
­ ­ ­ ­ e cumplicidade, em tempos que,
­ ­ ­ ­ embora passados, marcaram para sempre.

­ ­ ­ ­ Deixo-te o meu amor, que intocável
­ ­ ­ ­ num coração meloso como o meu,
­ ­ ­ ­ só pôde ser revirado de tal forma por você,
­ ­ ­ ­ e que mesmo na sua ausência,
­ ­ ­ ­ sempre foi seu.

41 comentários:

Anônimo disse...

PARABÉNS..... VC É DE UMA CRIATIVIDADE INCRÍVEL,SUAS PALAVRAS TOCAM FUNDO NO CONSCIENTE DAS PESSOAS.VC. É UM ESCRITOR NATO,CONTINUE ASSIM,POIS O SUCESSo SERÁ ALCANÇADO EM BREVE.
VC É REALMENTE ESPETACULAR...

Ramos disse...

Quem é Eduarda meu caro colega?
Quem foi a homenagiada nisso, que é lindo de ler? =D
Parabéns!


www.suportedamente.blogspot.com

Caetano Lorenzetti disse...

po tu escreve muito bem.. sucesso!

http://analisefc.blogspot.com/

JPR disse...

Parabêns jovem! Texto fácil, romântico e gostoso de ler. Lembrou minha adolescência, quando eu tinha essa sensibilidade aflorada. Muito bom!

http://linguaffiada.blogspot.com/
Informação,humor,crítica e inutilidade.

Gєssicα Limα ♥ disse...

Uau, amei teu texto. Achei lindo de verdade! Paarabéns.

Macaco Pipi disse...

boa cara
MUITO BOM
ASSIM Q SE FAZ UM LIVRO

Mr. Andrógyni-# disse...

Mto bom o texto dear, ela deve ser uma garota de sorte !!


http://dupladameianoite.blogspot.com/

Linha de Consciencia disse...

Cara, tem coisa pior do que a casa que você preparou com tanto apreço para alguém ser por ela deixada? Tem sim, é se você ficar o resto do tempo nessa casa lembrando.

Vendi a casa antiga e to a procura de um terreno novo de frente ao mar.

Grande texto.

Abraço!

Melhor Free disse...

Muito bom! ;)

fabio Diaz disse...

pow gosteiiii.... to seguindoooo...
segue o meu la .. abção

http://fabio-diaz.blogspot.com/

Fabiano disse...

cara, que bela declaração de amor heim! o texto é belissimo. se foi pensando para alguém, esse alguém com certeza vai repensar em algumas coisas... hehehehe...

http://blog-do-faibis.blogspot.com/

Bruno disse...

Minha primeira vez aqui no blog, estou surpreso, gostei muito da forma em que você escreve, pode ter certeza que voltarei mais vezes.

jaka disse...

boas constatações, sempre precavido, pronto para o possivel.

Cleiton disse...

Cara, muito bom!!!
Doces palavras muito bem alocadas!!!

Parabens!!

Rogerio disse...

eduarda faz vc ficar inspirado e escrever seus sentimentos....belas palavras...

Bob rootS disse...

muito bom, gostei da sua descrição no perfil.

MR disse...

Texto muito bom de ler... parabéns pelo blog!

Bacon do Stewie disse...

Tu escreve muito bem , Parabéns continue escrevendo assim que vc vai ter sucesso

http://bacondostewiebr.blogspot.com/

LADY DARK ANGEL disse...

bonito
acho q ela tem sorte
e vc um pouco d azar por ser romântico

Marcus Alencar disse...

É lindo quando o amor nos inspira a escrever versos sobre sentimentos puros, sinceros e que por muitas vezes, mesmos com as mais rebuscadas palavras, não encontram totalmente seu conteúdo exato pois vai além do que as palavras podem expressar...
muito bela a sua poesia

seuvicio disse...

Pois é, as pessoas se apegam a seus animais de estimação.

Rogerio disse...

texto perfeito...sentimento passado na escrita...esta de parabens...

Ferreira disse...

Muito bom o teu blog rapaz.
Gostei muito da tua maneira de escrever.

Parabéns.

Atch. disse...

Blog é realmente uma ferramenta mágica. O que seria de você e outros talentosos escritores se não existisse um portal assim? Parabéns, mesmo.

Alexandre Terra disse...

mt bom! adorei o texto e sua capacidade de criar!

Marcos Lima disse...

Uma forma de lembrar do amor que não deu muito certo.
Mas... se não deu muito certo, será que era amor?

Ou será sorte?

Abraços
http://senhor-do-tempo.blogspot.com/

estrogenicas disse...

que lindo... mesmo...
Se foi vc que escreveu, parabens, vc ´pe muito bom!

Bruno Silva disse...

Caro João Vitor, a minha reação de hoje é a nulidade de quem repara, se comove, mas não quer silibar nada. rs
Passando aqui pra avisar que mudei meu blog todinho, e perdi você como seguidor, convido-o a retornar pra seu lugar de direito, e abraços.

www.bsproducao.blogspot.com

Anônimo disse...

nossa, maravilhoso o texto, quem é essa garota ? eduarda ? adoro esse nome, deve ser linda, e que sorte por ter um amigo assim, que se importa e ama ela, ela deve sentir o mesmo, ou mais.

Duda Rodrigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristiano Contreiras disse...

Sempre verdadeiro o seu blog, gosto do teor e conceito, abs

Melhor Free disse...

Muito bom!

Pedro disse...

Gostei.

Furdunço disse...

caraca vc manda mto cra li tanto esse ,como canções de telefone e gostei pkas...vc vai longe carA!!! sempre que puder passarei por aqui!!!!

juju_cosme disse...

Uau João, adorei cara, mt bom!
Essa Eduarda ai deve ser mt importante pra vc mesmo, pelas declarações... parabéns!

Fábio Flora disse...

A Eduarda veio, foi e não voltou. Que pena. Ainda bem que restam a lembrança e a poesia. Abraços e sucesso com o blog!

Yuri Barichivich disse...

Como já havia comentado nos posts anteriores, você tem talento. Belo texto, meus parábens. Espero que continue visitando o meu blog como visito o seu!


Blog sobre Fotografia, Ensaios e Novidades.
http://patoemfoco.org/ - Visitem!
Um photoblog completo.

Loverocklive disse...

Otimo texto, adorei

luciana disse...

muito bom o texto, gostei.

indivídua disse...

este é o fim... belo e triste...

http://celuliteseoutrasestranhezasdemulher.blogspot.com/

Karla Hack disse...

Achei que o texto possui uma forte doação pessoal sua..
Exprime sentimentos com intensidade...
Magnífico!
;D