22 de abril de 2010

Eduarda

­ ­ ­ ­ As canaletas nas bordas de um caminho
­ ­ ­ ­ a mim nunca me disseram respeito
­ ­ ­ ­ porque minha vida sempre esteve fora da linha.
­ ­ ­ ­ Mas também esteve a sua.

­ ­ ­ ­ Pelo menos, o passado de que nos lembramos hoje
­ ­ ­ ­ é o que define o nosso rumo como desigual
­ ­ ­ ­ pois, em subconsciência, todo o resto de nossa trajetória
­ ­ ­ ­ relaxa apagado em cantos de nossas mentes,
­ ­ ­ ­ sejam conjuntos ou individuais.

­ ­ ­ ­ Por muito tempo, os anos passaram como
­ ­ ­ ­ flechas recém-lançadas, diante dos nossos narizes
­ ­ ­ ­ e direto para o além, aonde inutilmente
­ ­ ­ ­ nós tentávamos os alcançar de novo
­ ­ ­ ­ com o nosso singelo caminhar.

­ ­ ­ ­ Tempos de discórdia, nos quais sem pensar
­ ­ ­ ­ nós reclamávamos da vida, majestosos.
­ ­ ­ ­ Ao nos olharmos no olho, calculistas,
­ ­ ­ ­ podíamos arranjar inúmeros motivos
­ ­ ­ ­ para nos amar e também nos odiar.

­ ­ ­ ­ Tempos de discórdia, difíceis de serem vividos
­ ­ ­ ­ em sua época, mas que, ao longo dos anos,
­ ­ ­ ­ cada vez mais se tornavam insuportáveis.
­ ­ ­ ­ No entanto, ainda assim, nós contávamos
­ ­ ­ ­ com o sorriso de um estampado no rosto do outro.

­ ­ ­ ­ Ademais, a maturidade nos avassalava em registros periódicos,
­ ­ ­ ­ com intervalos cada vez menos espaçados,
­ ­ ­ ­ e ao entender como funcionava
­ ­ ­ ­ aquilo que chamamos solenemente de vida,
­ ­ ­ ­ nossos corações batiam assustados.

­ ­ ­ ­ E conforme as semanas passavam
­ ­ ­ ­ nós tínhamos consciência de que,
­ ­ ­ ­ em qualquer dia, a qualquer momento,
­ ­ ­ ­ o destino nos separaria ironicamente,
­ ­ ­ ­ e teríamos que enfrentar o medo sozinhos.

­ ­ ­ ­ Dessa forma, os anos seguintes se passaram
­ ­ ­ ­ originalmente copiados de padrões da sociedade,
­ ­ ­ ­ e depois de muito tempo apenas, tempo demais
­ ­ ­ ­ que, enfim sozinho, eu pude classificar como indescritível
­ ­ ­ ­ a dor da minha solidão.

­ ­ ­ ­ E enquanto eu escrevo isso, minhas últimas vontades
­ ­ ­ ­ antes de desaparecer desse mundo cruelíssimo
­ ­ ­ ­ para nunca mais querer voltar, com quase cem anos
­ ­ ­ ­ de uma experiência bastante simplória,
­ ­ ­ ­ deixo páginas desse testamento, e dessa vida,
­ ­ ­ ­ a você, minha linda.

­ ­ ­ ­ Deixo-te o meu amor, a minha paixão
­ ­ ­ ­ a ardência de toda uma amizade
­ ­ ­ ­ e cumplicidade, em tempos que,
­ ­ ­ ­ embora passados, marcaram para sempre.

­ ­ ­ ­ Deixo-te o meu amor, que intocável
­ ­ ­ ­ num coração meloso como o meu,
­ ­ ­ ­ só pôde ser revirado de tal forma por você,
­ ­ ­ ­ e que mesmo na sua ausência,
­ ­ ­ ­ sempre foi seu.