15 de fevereiro de 2011

Menina Abaixo e Menina Acima

Da janela a Menina Acima via o centro comercial detalhado abaixo, embora apenas visse. Não observava ou fitava como é comum a muitos a prática. Via por cima, do alto embaçado. Era em noite uma madrugada e acima de sua cabeça era tudo negro no momento como há horas havia sido azul escarlate, mas embaixo de seus pés além do chão no qual se sustentava ela podia ver a iluminação intensa e claramente irremissível que mesmo à distância irradiava definições de rostos reconhecíveis se conhecidos de antemão. Afinal chegara o grupo miseravelmente definível pelo qual ela esperara desde horas em que o céu ruminava azuis límpidos quando tomara a decisão de que precisaria reencontrá-los ainda que à distância. Como se ela estivesse à espera e na torcida inversamente natural ao que acontecia nos andares públicos abaixo, o que ansiava aconteceu em generalização de detalhes exatamente como ela havia suposto.

O grupo abaixo apertava o passo e desabotoava a calça enquanto seguiam a linda Menina Abaixo solitariamente independente do ciclo empresarial – “linda”, como a Menina Acima pensava, “apenas até este momento” – e lhe tiravam a beleza quando a calça já há muito tivesse caído. A Menina Acima de cima apenas via como as coisas haviam de acontecer e mesmo que conformadamente horrorizada, não se prestava a socorrer qualquer que viesse a ser o destino da linda – “linda”, como ela insistia em pensar, “apenas até este momento” – Menina Abaixo. Mais um amontoado de minutos facilmente contáveis pelo relógio silencioso mas atrativo da parede no canto ia passando lenta e rapidamente, dependia apenas para quem na cena, e o grupo sabotador de lindas continuava a cumprir tarefa usurpando da Menina Abaixo o linda de seu rótulo. Era admirável a facilidade com que drenavam sua pele e esquartejavam com os olhos, com as mãos e com todo o resto de seus corpos órgão por órgão da maravilhosa Menina Abaixo. Mais um amontoado de segundos dificilmente contáveis pelo relógio silencioso no canto da parede, pois o relógio não marcava segundos, ia passando agora animadamente de cem metros para baixo e indiferentemente de cem metros para cima. E o grupo eventualmente foi-se feliz e lindo pelo centro anoitecido.

A Menina Abaixo continuava pouco linda e perdendo sua beleza, afinal com certeza o grupo teria meios a que roubar inocências mesmo à distância, que a propósito teria sido a mesma distância de anteontem da Menina Acima, e um pouco mais da distância da Menina Acima de hoje. Neste momento ambas as meninas compartilhavam da mesma ternura arrombada, e entendam que deixaram de ser lindas. Ela Acima tinha certeza de que rótulos passavam fáceis pelos filtros, e Ela Abaixo de que o sorriso que achariam que ela iria carregar seria de veracidade apenas segundo a sociedade.

Não mataram a Menina Acima, o grupo, pois do chão ela ascendia, nem esfaquearam tampouco a vida da Menina Abaixo. Misericordiosos não roubam vidas, como o grupo teria sido às duas ex-lindas. Apenas lhes furtaram o brilho nos olhos pelos quais a ausência de cor não lhes permitia observar ou fitar, apenas ver. Agradecidas com ilustre generosidade, elas apenas não piscariam mais o brilho no olhar, e carregariam sozinhas os ex-rótulos de ex-beldades, afinal “lindas”, as Meninas Acima e Abaixo pensariam ad infinitum, “apenas até aquele momento abrilhantado.”

39 comentários:

Yaser Yusuf disse...

gostei muito do texto ...
parabéns pelo blog!

V¡ии¡¢¡µs ツ disse...

esse negocio de menina em acima e menina abaixo ! hehe! vai dar coisa!

aceita parceria com links acesse

Site da NET | Portal de Novidades

Rodrigo Ferreira disse...

Gostei muito do texto
Interessantissimo

abraço

http://rodrigobandasoficial.blogspot.com/

Yeda Nunes da Silva disse...

Seus textos são muito bons!
voltarei aqui mais vezes
Te seguindo
Abraço

http://recantodeyeda.blogspot.com/

Furdunço disse...

inicialmente fiquei meio perdido,mais no decorrer do conto gostei bastante...
realmente fatos como esse ,muitas vezes marcam negativamente a vida de uma pessoa,deixa que marcas que mtas vezes extrapola o fisico,mais compromete principalmente o psicologico!!! mto bom

Francorebel disse...

bravo!

Jaque disse...

hum, interessante. Parece que tem uma facilidade pra escrever e parece que gosta muito de escrever. Senti isso. =)

Parabéns pelo blog.
Beijos.
http://agarotaquetemquasetudo.blogspot.com/

O mundo de cada um disse...

A sua postagem até o momento foi a melhor surpresa da noite, uma frase que gostei do texto, que é a pura verdade que os rótulos passavam fácil pelo filtro. Algumas vezes é assustador as pessoas ficarem estáticas diante de certas atrocidades.

Lucas Manoel disse...

muito bem escrito.. e eu acho meio complicado de certa forma escrever este tipo de texto, mas vc fez isso muito bem e faz parecer fácil...
parabéns
abraços e se poder
www.furdunconosemaforo.com.br

Dan disse...

Texto bem elaborado Joao Victor!

"Apenas ate aquele momento abrilhantando"

Tens futuro como escritor viu, abraco!

http://popodesabafando.blogspot.com/2011/02/viva-o-blogspot-e-liberdade-de-expresao.html

Dan disse...

Texto bem elaborado Joao Victor!

"Apenas ate aquele momento abrilhantando"

Tens futuro como escritor viu, abraco!

http://popodesabafando.blogspot.com/

Samir . disse...

Bom texto, soube atrair a atenção dos leitores.

Supremux disse...

Seguindo!


http://www.supremux.com/ Visite diariamente!

@Axcel09 disse...

Achei o texto muito confuso, sinceramente.. Não consegui interpretar, mas fiquei muito curioso pra ter uma explicação. Alguém me explica? :D

Ana Patrícia disse...

Mais que muito bem escrito. Tive uma boa surpresa literária dessa vez *-*
Em meio a tantas literatices online.
Impossível não segui-lo para visitá-lo novamente \o/

Arathane disse...

hah mto legal ... gostei mesmo, seu blog é otimo !!!

além de comentar, vou seguir tb, me segue tb ?

http://arathane.blogspot.com/

Barbara Nonato disse...

Que metáfora, hein, João?!
Sensacional a forma como você dessa vez transformou as situações de forma tão tua e, ao mesmo tempo, trabalhando com essa coisa das diferenças e do declínio.
Muito bom mesmo!

Rogerio disse...

muito bom o texto...bem escrito...bem elaborado...

Sandro Batista disse...

Espetacular! Não tenho outra palavra pra definir esse texto, que li mais de uma vez, pra ter a certeza de que estava diante da narrativa de uma brutalidade, mas que vc conseguiu ilustrar com poesia e ainda deixar um fio de esperança. Muitas "meninas abaixo' se perdem , aos montes, e algumas delas, também acima. Um tema sério, tratado com sutileza, delicadeza... Perfeito!
http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

Tati disse...

Você foi exato em tudo, até mesmo em chamar os comentários de reações! Aqui a gente deixa uma reação mesmo: de que leu um ótimo conto, de quem realmente dá valor à literatura!

Li mais de uma vez [acho que também para ter certeza de que estava compreendendo as meninas, os valores, as consequências...]

William disse...

entendi o texto mas o contexto ficou meio inexplicável.
Abraço e bom domingo.

Marcélia Macidália disse...

E quantas vezes o explicável precisa ser inexplicável.
Parabéns pelo texto e pelo blog. Voltarei mais vezes.
Que tal conhecer o Boatos e Afins?
Tá rolando um super sorteio Cultural

beijos e até...

Filipe Dias disse...

Parábens mais uma vez pelo seu texto...


muito bom

Ganhe Dinheiro disse...

haiohaoiahoao isso e uma suruba xD

valeu parabens pelo blog xD

Teteh Pacheco disse...

Uau!! Lindo texto!!
Muito interessante seu blog, Parabéns!

♥MáH♥ disse...

Nossa!
Que texto perfeito. Você escreve muito bem, texto a nível profissional.
Parabéns!

Italo Stauffenberg disse...

o texto está excelente!

parabéns!

http://manuscritoperdido.blogspot.com/

Nina Aubasi disse...

Nossa, que bela surpresa!
Excelente o seu texto (meio confuso sim, no começo), garoto.
Estou seguindo ;)

Alexandre disse...

Ótimo texto, aidna estou abismado, geralmente não curto ler esses tipos de contos. Apesar de ser um conto muito bem escrito história bem desenvolvida! mais é q num curto esse tipo de violência manow!
Tipo me coloco no lugar das pessoas. :S

mais tá ótimo!
Passa no meu?
http://voandoalem.blogspot.com/

Manfio disse...

apesar de meio confuso no inicio, o texto ficou muito bom, tratou com sutileza um tema bem complicado.

parabéns pelo texto!

Dalton Leça disse...

Parabéns mesmo João Victor por esse texto! Mto bem escrito!! =p (Já estou seguindo o seu blog tbm...)

Att.: http://umpoucothetudo.blogspot.com/

Karla Hack dos Santos disse...

Sabe o que eu mais gosto quando esbarro com seus textos?
É a peculiaridade deles... Você escreve como você mesmo e mais ninguém!

Muito bom!

;D

Juηiøя - ล∂๏ℓэร¢эи†э ลи†эиล∂๏ disse...

Pra não parecer estúpido eu não vou falar sobre o texto pq não li, mas vou comentar sobre seu layout esta muito bem organizado! parabéns!

Millena Blogueira disse...

Leve, perfeito e surpredente.Seus textos conseguem prender a atenção do leitor.

Jefferson Reis disse...

Não pude deixar de pensar nas diferenças das classes sociais, que por mais que sejam diferentes, são feitas de seres humanos. E em certo momento até fiquei imaginando se as duas garotas não poderiam ser uma só, com seus altos e baixos.

Macaco Pipi disse...

tudo marca e tudo deve ser lembrado!!

Juliane Oliveira disse...

gostei do texto' *-* parabéns!

http://sosfashion-makeup.blogspot.com/

Daiah Scarlet disse...

gostei mt desse texto! só achei um pouco comprido demais..mas vale a pena!

Anônimo disse...

Triste, violento.. D: Fiquei meio deprimida depois desse, bastante aliás.
Mas isso é bom sinal. Você intretem o leitor a tal ponto, que o faz sentir-se de acordo com o texto. E isso não é algo fácil.
Parabéns pelo texto e pela habilidade rs.
Julia Vital.